O Véu Negro: A História

 

"A versão inicial do Véu Negro foi originalmente escrita no final de 1996 pelo primeiro Synod e o pelo Father Sebastiaan, como o código de conduta para o primeiro Noir Haven do Halo de Gotham o "Long Black Veil", e para os membros do Clã Sabretooth . As primeiras edições do véu negro foram baseados em uma combinação de códigos de conduta da cena fetichista da Sociedade Eulenspiegal ( TES) e a elegância da etiqueta da "Renaissance Faire", bem como contendo elementos da cavalaria e conotações românticas, a fim de elevar o Glamour Vampyrico. Com o tempo, foram criadas várias revisões e rascunhos do véu negro, sendo a mais notável a edição das 13 Regras da "Comnidade Vampírica" de Michelle Belanger, e a revisão de uma edição por Lady Melanie. Estas versões do véu negro foram altamente influenciadas pelo RPG "Vampiro a Máscara", a partir do qual a comunidade vampírica nesses primeiros anos basearam-se para a terminologia e estrutura da comunidade. Muitos grupos e diferentes indivíduos dentro da subcultura vampírica criaram suas próprias variações do véu negro, incluindo as 7 Éticas da Comunidade vampírica, uma revisão da versão anterior de Michelle Belanger . Esta revisão foi aprovada pelo Synod, a fim de criar uma edição do véu negro para acomodar todos aqueles que estão fora do Sanguinarium na "Comunidade Vampírica". No entanto, o atual Véu Negro da Strigoi Vii apresentado aqui representa o núcleo fundamental de ética do Véu Negro original. É a versão final do véu negro que foi aderido e aprovado pelo Strigoi Vii e pelo Sanguinarium .

 

Por que existem tantas versões diferentes deste texto, e o que faz com que esta edição atual seja a mais útil ? Do ponto de vista do Strigoi Vii, as outras edições do Véu Negro tem grande mérito, no entanto, elas ainda não estão capiturando totalmente ou expressando em palavras como evitar potenciais obrigações passivas enfrentadas na realidade do Dayside do mundo cotidiano. Assim, muitas das versões anteriores do véu negro são agora desatualizadas. A realidade contemporânea do Dayside deve ser abordada, a fim de garantir a segurança e a prosperidade da família. É insensato e auto-destrutivo para um Strigoi Vii ou Black Swan trair para si a violação do senso comum destes Princípios. Estas orientações simples não devem ser vistas como uma restrição, mas sim para nos capacitar, elas nos oferecem os meios para existir e prosperar de uma forma responsável e criteriosa dentro da sociedade mundana.

 

Se um Strigoi Vii viola o véu negro, ele vai sofrer não só consequências óbvias dentro do Sanguinarium e entre a família, mas, sobretudo, uma condição de Zhep'r negativo conhecido como khaskt, que significa "A perda de oportunidade." Com efeito, aqueles que violam a Véu estão roubando de si o seu próprio Zhep'r e realmente revogando a sua oportunidade para Imortalidade do Self. Khaskt pode ser visto como o equivalente Strigoi Vii do carma negativo. No entanto, é muito mais potente para aqueles em sintonia com a atual Corrente de Elorath através de Iniciação, ou aplicação dos Mistérios em qualquer nível.

 

O Strigoi Vii promove a responsabilidade social e reconhece as conseqüências que nossas muitas ações podem ter e muitas vezes as repercussões negativas, conforme tornamo-Nos mais visíveis para o mundo mundano. Aqueles que orgulhosamente carregam o Legacy Ankh perto de seus corações, sejam eles Strigoi Vii ou Black Swan, fazem a afirmação de que eles estão de acordo com os Princípios do Véu Negro da Strigoi Vii. Estes princípios são o bom senso inato para os membros respeitáveis ​​da nossa família. O Véu Negro nos dá a liberdade e o fundamento para viver e prosperar no seio da sociedade mundana, sem ofender ou colocar medo em Nossa fonte de Origem."

 

 

Texto Original: Vampyre Sanguinomicon: The Lexicon of the Living Vampyre

Tradução Eva Franco